Adoro flores, apesar de saber que elas têm um ciclo: agradam, alegram, embelezam, murcham, morrem, são jogadas fora. Mantém o ambiente bonito por pouco tempo. E nós, perecíveis? Apesar do esforço botoxal, sei não. Somos perecíveis, apodrecemos com o tempo. Tenho pena - muita pena, friso bem - de gente que já nasceu podre. Sigo adorando flores do mesmo jeito que sigo adorando pessoas. Preciso aprender que certas pessoas não merecem destaque na nossa vida, em contrapartida as flores sempre merecerão o melhor lugar na nossa varanda.
—  Clarissa Corrêa     (via incorpora)
Nunca entendia a comparação entre o amor e as flores. Até perceber que esse meu sentimento estava secando, caindo, murchando, assim como a rosa que morreu num vaso lá de casa. Ambos eram lindos, todos admiravam, as flores eram vermelhas e grandes, e o nosso amor, forte e verdadeiro. A rosa tinha alguns espinhos, assim como o amor tem suas complicações. Todos os dias ela era regada e exposta ao sol, recebia todos os mimos, mesmo sendo uma rosa qualquer. Eu sempre procurei cuidar de meu sentimento também, o que não se faz sozinho, e então nós dois cuidávamos, dava certo! Era tudo muito perfeito. Mas a flor morre, a gente morre, e até o amor morreu. Talvez não tenha sido por falta de cuidado, isso não faltou. Mas uma tempestade chegou, o clima esfriou, tudo escureceu, o brilho sumiu, e nem um dos dois resistiu. A rosa não sobrevivia só com a água do regador, e nem o amor com o cuidado só de um alguém.
—  I can fix you.  (via delator)
Adoro o som da sua risada.
—  500 dias com ela.   (via delator)
A minha mãe nunca foi em nenhuma das minhas apresentações da escola. Eu cresci sem um pai. Quando era criança o que eu aprendi foi: que tudo se resolve na base de gritos e surras. Eu ouvia vários comentários constrangedores quando eu ia à escola. Meus irmãos já eram adultos. Nunca fui a queridinha da vovó. Tampouco a melhor entre os meus primos. Talvez não tivesse algo que sendo exposto seria algum motivo de orgulho. Eu tinha algo de especial, eu tinha um coração, eu era a menos egoísta no meio daquela multidão que chamava-se “família”, família é uma palavra que não é existente em meu vocabulário. A garotinha com coração mole cresceu e não passa de uma garota revoltada e egoísta. Cansou de se importar com isso e aquilo que realmente machucava-a. Cansou de se doer. A garotinha cansou de fingir e acabou morrendo por dentro. E o que restou dela, foi apenas um coração partido e uma carcaça que dava a impressão de que ela ainda estava viva.
—  Carla Santos. (via prestigiador)
A minha mãe nunca foi em nenhuma das minhas apresentações da escola. Eu cresci sem um pai. Quando era criança o que eu aprendi foi: que tudo se resolve na base de gritos e surras. Eu ouvia vários comentários constrangedores quando eu ia à escola. Meus irmãos já eram adultos. Nunca fui a queridinha da vovó. Tampouco a melhor entre os meus primos. Talvez não tivesse algo que sendo exposto seria algum motivo de orgulho. Eu tinha algo de especial, eu tinha um coração, eu era a menos egoísta no meio daquela multidão que chamava-se “família”, família é uma palavra que não é existente em meu vocabulário. A garotinha com coração mole cresceu e não passa de uma garota revoltada e egoísta. Cansou de se importar com isso e aquilo que realmente machucava-a. Cansou de se doer. A garotinha cansou de fingir e acabou morrendo por dentro. E o que restou dela, foi apenas um coração partido e uma carcaça que dava a impressão de que ela ainda estava viva.
—  Carla Santos. (via delator)
Você não é derrotado quando perde. Voce é derrotado quando desiste
—  Paulo Coelho.  (via amortalizei)
Sem ofensa, mas você representa tudo o que eu mais desprezo no mundo.
—  Skins. (via orientei)
P